sexta-feira ,21 julho 2017
Home / Turismo e meio ambiente / Cultura / ORQUESTRA FILARMÔNICA ESTREIA EM PARACATU E ABRE O 4º FESTIVAL DO PATRIMÔNIO CULTURAL DA CIDADE

ORQUESTRA FILARMÔNICA ESTREIA EM PARACATU E ABRE O 4º FESTIVAL DO PATRIMÔNIO CULTURAL DA CIDADE

Gratuita e aberta ao público, a apresentação será realizada no dia 1º de julho, às 20h, na Praça da Matriz

A Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, um dos mais bem-sucedidos programas continuados no campo da música erudita no Brasil, realiza sua primeira turnê na cidade de Paracatu, noroeste de Minas Gerais. A Orquestra abrirá o 4º Festival do Patrimônio Cultural de Paracatu no dia 1º de julho, na Praça da Matriz, às 20h. Nesta oportunidade, o grande público irá ouvir um repertório ao mesmo tempo diversificado e descontraído, com compositores exponenciais da música sinfônica como Berlioz, J. Strauss Jr, Liszt, Tchaikovsky, além de um dos mais importantes compositores brasileiros de todos os tempos, Carlos Gomes. A regência é do maestro Marcos Arakaki, com uma longa trajetória artística tanto na Filarmônica como em outras orquestras de destaque no Brasil e no exterior. Entrada gratuita.

A Filarmônica e a Kinross, patrocinadora desta turnê, também prepararam outras duas apresentações. Uma de cunho didático, para alunos da escola pública, e um concerto de câmara, para estudantes de música. A seleção para esses concertos foi feita pela Prefeitura Municipal de Paracatu e pela Superintendência Regional de Ensino de Paracatu. Essa iniciativa veio ao encontro do programa de ampliação do acesso e formação de novos públicos, conduzido pela Filarmônica de Minas Gerais desde sua criação, em 2008. De 2008 a 2016, a Orquestra realizou 90 concertos educacionais. “Já tocamos para mais de 87 mil jovens em concertos didáticos e, além de ser um momento muito gratificante para o músico profissional, é impressionante como isso ajuda a despertar o interesse da juventude pelo repertório clássico”, diz o maestro Arakaki. Tanto nos concertos educativos como nos concertos em praça pública, ressalta o maestro, “o público se aproxima da Orquestra por meio de informações e histórias que serão importantes para o conhecimento e para a escuta”.

Os três concertos são apresentados pelo Ministério da Cultura, Governo de Minas Gerais e Kinross Paracatu por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e têm o apoio da Prefeitura Municipal de Paracatu.

O maestro Marcos Arakaki
Marcos Arakaki é Regente Associado da Filarmônica de Minas Gerais e colabora com a Orquestra desde 2011. Sua trajetória artística é marcada por prêmios como o do 1º Concurso Nacional Eleazar de Carvalho para Jovens Regentes 2001 e o Prêmio Camargo Guarnieri 2009, ambos como primeiro colocado. Foi também semifinalista no 3º Concurso Internacional Eduardo Mata, realizado na Cidade do México em 2007.

Marcos Arakaki tem dirigido outras importantes orquestras tanto no Brasil como no exterior. Estão entre elas as orquestras sinfônicas Brasileira (OSB), do Estado de São Paulo (Osesp), do Teatro Nacional Claudio Santoro, do Paraná, de Campinas, do Espírito Santo, da Paraíba, da Universidade de São Paulo, a Filarmônica de Goiás, Petrobras Sinfônica, Orquestra Experimental de Repertório, orquestras de Câmara da Cidade de Curitiba e da Osesp, Camerata Fukuda, dentre outras. No exterior, dirigiu as orquestras Filarmônica de Buenos Aires, Sinfônica de Xalapa, Filarmônica da Universidade Autônoma do México, Kharkiv Philharmonic da Ucrânia e a Boshlav Martinu Philharmonic da República Tcheca.

Marcos Arakaki foi regente assistente da Orquestra Sinfônica Brasileira e regente titular da OSB Jovem e da Orquestra Sinfônica da Paraíba.

Natural de São Paulo, Marcos Arakaki é Bacharel em Música pela Universidade Estadual Paulista e Mestre em Regência Orquestral pela Universidade de Massachusetts, Estados Unidos. Recebeu orientações de David Zinman na American Academy of Conducting at Aspen e participou de masterclasses com os maestros Kurt Masur, Charles Dutoit e Sir Neville Marriner.

Nos últimos dez anos, Marcos Arakaki tem contribuído de forma decisiva para a formação de novas plateias, por meio de apresentações didáticas, bem como para a difusão da música de concertos através de turnês a mais de setenta cidades brasileiras. Atua, ainda, como coordenador pedagógico, professor e palestrante em diversos projetos culturais, instituições musicais, universidades e conservatórios de vários estados brasileiros.

Sobre a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

A Filarmônica de Minas Gerais, ao longo de sua história, recebeu sete prêmios de cultura e desenvolvimento social, efetivando-se como um dos projetos mais bem-sucedidos de Minas Gerais e do Brasil no campo da música erudita. Sob a direção artística e regência titular de Fabio Mechetti, a Orquestra é atualmente formada por 90 músicos provenientes de todo o Brasil, Europa, Ásia, Américas Central, do Norte e Oceania, selecionados por um rigoroso processo de audição. Desde a sua criação, em 2008, até junho de 2017, a Filarmônica realizou 672 concertos, com a execução de 890 obras de compositores brasileiros e estrangeiros, para mais de 874 mil pessoas, sendo que mais de 43% do público pôde assistir às apresentações gratuitamente em praças da Região Metropolitana de Belo Horizonte e em 93 concertos no interior de Minas. O impacto desse projeto artístico durante os anos também pode ser medido pela geração de 60 mil oportunidades de trabalho direto e indireto.

Sobre a Kinross

A Kinross Brasil Mineração opera a mina Morro do Ouro em Paracatu, no noroeste de Minas Gerais, e integra a Kinross Gold Corporation, grupo canadense com presença na América do Sul (Brasil e Chile), América do Norte (Estados Unidos e Canadá), África (Gana e Mauritânia) e Eurásia (Rússia). Presente em Paracatu desde 2006, a Kinross trabalha por meio de projetos e relacionamentos embasados no respeito e nas premissas da política de investimento social. A empresa trabalha de acordo com padrões internacionais de promoção dos direitos humanos, respeitando a cultura, a história e as particularidades de cada comunidade.

Entre as iniciativas, está o Programa Integrar, criado em 2011, que tem atuações em quatro eixos: Educação, Cultura, Meio Ambiente e Geração de Emprego e Renda. Em 2016, o Integrar contou com a participação de quase quatro mil pessoas. A empresa trabalha ainda com o programa Na Comunidade com a Kinross, com projetos realizados em parceria com moradores dos bairros vizinhos à mina. Na área ambiental, a mineradora realiza diversos projetos, como por exemplo, o projeto de Proteção de Nascentes e Veredas, junto com a ONG Mover, que já preservou 202 nascentes na Bacia do Rio Paracatu – principal afluente do Rio São Francisco – e beneficiou 116 proprietários rurais da região desde 2011. Outros projetos ambientais: Doação de Mudas nativas, Educação ambiental, manutenção de reservas legais e RPPN.

Serviço
Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
Turnê Estadual
1º de julho, sábado, às 20h
Paracatu – Praça da Matriz

Marcos Arakaki, regente

GOMES                                    O Guarani: Protofonia
BERLIOZ                                   A danação de Fausto: Marcha Húngara
J. STRAUSS JR.                        Tik-Tak Polka, op. 365
TCHAIKOVSKY                         Eugene Onegin: Valsa
LISZT/Müller-Berghaus         Rapsódia Húngara nº 2 em dó menor

Entrada Gratuita

Mais informações no site www.filarmonica.com.br ou (31) 3219-9000

Informações para imprensa:
Personal Press – Assessoria de Imprensa da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
Polliane Eliziário – polliane.eliziario@personalpress.jor.br – (31) 9 9788-3029
Ideia Comunicação – Assessoria de Imprensa da Kinross
Fran Dornelas (31) – frandornelas@ideiacom.com.br – (31) 9 8435- 9955

Você pode Gostar de:

Balão do Google que leva internet a partes remotas do mundo é visto de Patos de Minas

O objeto transparente estava na região de Monjolinho de Minas, entre Patos de Minas e …

Loading Facebook Comments ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *